LiveZilla Live Chat Software
Blog

Horário Especial – 1º de maio

Nosso trabalho é cuidar de você até no dia do trabalho!

Fiquem atento aos horários de funcionamento:
Unidade Jardim Andere: 16:00 – 20:00
Unidade Centro: 09:00 – 13:00
Unidade CrossFit: Fechado

Ganhadores da Promoção Body Health Leva Você para um Cruzeiro

Confira o Depoimento e fotos do Marcio e sua acompanhante, ganhadores da promoção “Body Health Leva Você para um Cruzeiro”.

“O Cruzeiro foi excelente, navio Royal Caribbean impecável, serviço 100%. Agradeço a atenção e carinho do time Body Health nessa jornada que passei com vocês!
Um grande Abraço,

Marcio”.

IMG-20150418-WA0051 IMG-20150418-WA0052

Oito estratégias para acelerar a recuperação dos músculos

A recuperação dos músculos após a atividade física é tão importante quanto a prática do exercício em si, já que ela diminui as dores e a fadiga no dia seguinte à prática, melhora o desempenho nos próximos treinos e aumenta a massa muscular. “Durante o exercício, não há nenhum beneficio ao corpo. É na recuperação que isso acontece”, diz o fisiologista Turíbio de Leite Barros, diretor técnico da Physio Institute, em São Paulo.

Existem duas etapas para a recuperação muscular: a que repõe o estoque de energia que o músculo utilizou durante o exercício e a que restaura as lesões provocadas pela atividade física na musculatura.

Carboidrato – A primeira etapa consiste em repor a energia que o músculo gastou durante o exercício. Isso é feito por meio da ingestão de carboidrato, absorvido pelas células em forma de glicogênio. Para acelerar esse processo, o ideal é fazer um pequeno lanche até 30 minutos após o término do exercício físico, porque é nesse período em que as células conseguem captar mais glicose e de forma mais rápida. “Ingerir algum carboidrato de simples digestão, como um suco de frutas, logo após a atividade ajuda na recuperação do músculo”, diz Turíbio de Leite Barros. Depois de 30 minutos, o corpo continua a estocar glicogênio, porém, mais lentamente.

Devolver energia aos músculos é importante principalmente para os praticantes de atividades aeróbicas, como a corrida, já que nesses exercícios há mais gasto energético do que sobrecarga muscular. “Quanto maior a duração do treino, mais glicogênio o corpo vai utilizar”, diz o educador físico Rafael Baptista, professor da faculdade de Educação Física e Ciências do Desporto da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Normalmente, a reposição de energia nas células musculares leva entre 12 e 24 horas para acontecer.

Regeneração – A segunda etapa de recuperação é essencial para que a musculatura aumente. Um exercício de força provoca pequenas lesões no músculo, que são “curadas” pelas proteínas sintetizadas por células do tecido muscular durante a atividade física. Essa regeneração é o que leva ao aumento da massa muscular. Mas, para o músculo se recuperar completamente, ele deve descansar por 48 horas. Por isso, não é recomendável exercitar o mesmo grupo muscular dois dias seguidos.

Se essas duas etapas de recuperação dos músculos não forem seguidas corretamente, há risco de dores no dia seguinte à atividade física, de lesões, fadiga, perda de flexibilidade e prejuízos ao desempenho nos exercícios.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/oito-estrategias-para-acelerar-a-recuperacao-dos-musculos

Brasileiro troca futebol por musculação, aponta estudo

O brasileiro está trocando o futebol por musculação, mostra pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde e divulgada nesta sexta-feira. O trabalho indica que, embora o esporte continue sendo a atividade física preferida entre os homens, a prática está em queda. Há oito anos, 35% dos entrevistados diziam jogar bola regularmente. Em 2013, esse índice caiu para 26,75%.

Por outro lado, a musculação ganha a atenção de ambos os sexos – e, atualmente, sua prática é mais prevalente no grupo feminino. Em 2013, 18,46% dos homens afirmavam praticar musculação, contra 13,43% em 2006. Entre as mulheres, a prevalência desse exercício cresceu de 11,88% para 19,56% no mesmo período.

“Há algumas hipóteses para a mudança”, diz a diretora de Vigilância e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, Deborah Malta. A preferência pode ser reflexo do maior interesse da população brasileira em praticar atividades físicas. “Academias tornaram-se mais acessíveis, estão em toda parte, têm horários flexíveis, o que pode facilitar a prática, porque se encaixa na rotina de vida. O futebol está mais relacionado a um evento social. Exige maior preparação: reunir o grupo, encontrar espaço para prática”, afirma.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/brasileiro-troca-futebol-por-musculacao-aponta-estudo-2/